terça-feira, 30 de setembro de 2008

abrigo


muita gente acha que protetores são pessoas meio malucas que gostam de se encher de gatos. quase como uma coleção, um de cada tipo, modelo e sabor. no fundo, ninguém escolhe ser protetor de animal. a diferença é que algumas pessoas simplesmente não conseguem ver certas coisas e ficar indiferente.

apesar de não me considerar uma protetora, pois só tenho uma gatinha temporária em casa, eu admiro demais o trabalho destas pessoas que, em muitos dos casos, acabam abdicando um pedaço da sua vida por conta dos bichinhos.

depois de certo tempo, a criação de um abrigo acaba se tornando necessária ou então, a solução é restringir o número de bichinhos ajudados. eu particularmente acredito que bom protetor mesmo é aquele que não faz mais do que pode. afinal, tirar um bichinho da rua e colocá-lo numa situação de estresse com mais centenas de outros bichinhos de longe não é a situação ideal.

embora muita gente acredite que abrigos são bons e que assim os bichos estão protegidos, esta não é a realidade. claro que abrigo é melhor que a rua, nem dá para discutir. mas o bom mesmo é casa, comida e cama quentinha. abrigo é ajuda paliativa e não definitiva. se não é, deveria ser o local que os bichinhos ficam temporariamente até que alguém os adote.

infelizmente o que notamos, vocês podem conferir em todos os abrigos e com todos os protetores, são abrigos super lotados. bichinhos e mais bichinhos esperando por um lar, encalhados e tristonhos. alguns chegam a morrer sem nunca saber o que é ter família. alguns, ditos como ariscos, mudam completamente o temperamento depois de estar em local menos cheio e mais tranqüilo.

é o caso da pepita (foto). chegou ao abrigo do aug muito jovem ainda. arrisca e medrosa, não deixava ninguém chegar perto dela. ficou anos sem conseguir ser vacinada pq não havia condições de capturá-la para levar ao veterinário. depois de anos por lá, melhorou muito, mas mesmo assim, sempre foi considerada uma gatinha arisca.

faz três meses que a pepita está em casa. chegou com a pepa que, contrariando todas as expectativas, foi muito bem adotada por uma família super carinhosa. quando chegou em casa, a pepita se quer miava. nunca me procurou, nem me olhou e não deixava eu chegar perto. ela estava tratando da gripe, então eu tinha que pega-la pelo cangote para dar o comprimido. consegui colocar ela na caixinha, mas ela nunca foi de contato físico.

ah... hoje eu sinto maior orgulho quando eu chego em casa e a pitchula, como chamo a pepita, está miando baixinho no quarto dela pedindo para abrir a porta. aí, depois sobe em cima de mim, toda levinha para cochilar enquanto eu vejo tb. ou então quando ela entra nas cobertas, quando lambe e se esfrega na minha mão pedindo um cafuné.

claro que ainda se assusta com certos movimentos, mas faz questão de estar sempre por perto para acompanhar tudo. infelizmente, por conta da ração especial, ela não pode ficar solta 100% do tempo. mas sempre que estou em casa, faço questão de a deixar explorar o ambiente. outro dia esqueci a tampa da privada aberta e ao entrar no banheiro, flagrei a pequena dentro, bebendo água – sorte que estava limpa – rsrsrsrs. estes dias o nico até ameaçou dar umas lambinhas nela!!!

quem vê a pepita hj, não imagina que foi uma gata arisca!!! não tem jeito, só tem uma receita de sucesso! cuidado e amor!!!! não vejo a hora dela ficar boa logo. merece isso!

ontem recebi uma pedido de adoção, mas infelizmente era um ser ignorante. nem sei para que queria um gatinho. quando fui explicar que ela tinha problemas renais, mas que apesar disso ela era super de bem com a vida, ouvi um grito: “afe, tenho pobrema demais para pegar bicho doente”. não dá né?

se não for um super lar, que fique comigo!!!!

5 comentários:

Silvia disse...

Fico emocionada quando se fala em gatinhos "especiais", que precisam de um pouco de cuidado a mais que os outros, por que a gente aprende muito com esses fofos! Você tem é que se orgulhar muuuuito de tudo que a pepita melhorou com seu carinho!!! sem falar que ela está cada dia mais linda, né? hehehe
Bjos pra vc! e, para o ignorante, um pouco de luz na vida dele... está precisando com certeza.

cindyfontes disse...

Luisa, concordo plenamente com vc, ou ela vai para um lar super especial que dê todo o tratamento que ela precisa, ou fica na sua casa que já virou a casa dela com certeza, onde ela é amada e cuidada como todo gatinho merece, ainda mais sendo especial. Logo, logo era ficará melhor e poderá ter uma convivência plena com os garotões aí.
beijos.

Lyra Líbero disse...

Olá Luisa!
essa "furica" parece ser um amorzinho... me pergunto, porque você não a adota? hehe, parece que até o nico já a considera da família. Eu gosto muito dela mesmo conhecendo-a apenas do AUG e do seu blog, via web, e da pepa tb, que ganhou uma família dos sonhos... uma linduxa.
Beijao!

Louca dos Gatos disse...

ah, eu ainda estou maturando esta idéia. o lance de ser temporário e não resistir e adotar é que vc deixa de dar espaço para gatinhos que precisam de um cantinho. aconteceu que a pepa tem necessidades especiais por conta do probleminha renal. mas vai que aperece alguém que se apaixone por ela mesmo assim? aí abre vaga para mais alguém que precise!

Jerusa disse...

Oi Luisa, quando der, coloque mais fotos dela aqui no blog, para agente ver a fofurinha que ela é!
Beijos
Jerusa