segunda-feira, 26 de março de 2012

o que é ajudar pra vc?


muita gente acredita que trabalhar na ajuda animal é encher a sua casa de animais e ter uma vida insalubre: cheia de sujeira e sem tempo para nada. honestamente, não a credito em extremos.

se você investe todo o seu tempo em um único propósito, acaba desistindo. pelo menos em longo prazo. isso pq, uma hora você percebe que deixou outras coisas importantes de lado em detrimento daquele projeto e, pode até culpar aquilo pela sua insatisfação.

sempre preguei que cada pessoa tem seu papel na cadeia da ajuda animal. claro que achar um lugar para abrigar os pequenos é, sem sombra de dúvidas, a principal atividade. pq sem espaço físico é impossível tirá-los da rua. mas, só as pessoas que abrigam animais em casa que são ‘protetores’?

fui lar temporário muitos anos. arrisco dizer que já abriguei mais de 100 animais em casa. nunca estressei se eram brancos, pretos ou se ficavam comigo mais de 3 meses. eu estava ali para dar um lugar para eles. sabia que um dia o dono chegaria e aí eu poderia doá-lo sem medo.

até que um dia, minha situação mudou e eu não pude mais ser lar temporário. de coração, foi uma dor horrível. cada e-mail de ajuda me partia o coração. mas aprendi que não abrigar animais de rua não me faz ser uma pessoa pior. muito menos faz as pessoas que abrigam serem melhores que eu.

eu faço a minha parte. hoje, graças a confraria dos miados e latidos, me sinto parte integrante de um projeto maior. sinto que sou uma peça na engrenagem. que sem meu papel, a roda não gira e que preciso de alguém (que faz o que eu não faço) para fazê-la girar.

se tivermos 894 lares temporários, mas nenhuma veterinária voluntária, o que adianta? se não tivemos pessoas capazes de doar grana, como manteremos o projeto? se não tiver gente que lave o abrigo, em que condições estes animais ficarão? se não tivermos alguém que cuide da divulgação, quem saberá do nosso projeto?



parece simples, mas nem sempre é enxergado assim pelas pessoas. cansei de ver uma linha hierárquica invisível que qualifica e dá poder para quem se enche de animais em casa e menospreza que só pode fazer uma vistoria, por exemplo.

acredito que não é só uma grande bobagem, como desmotiva quem tem interesse em fazer. se você incentivar pequenos gestos, você pode estar alimentando uma vontade enorme de ajudar. toda ajuda é bacana e bem-vinda. de um dia que você pode doar para acarinhar gatinhos do abrigo até R$ 5,00 que você pode doar para finalizar uma rifa. esta grana pode  não fazer diferença para você, mas quando a rifa fechar, vai ajudar uma porção de gatos.

temos a mania horrível (e não me excluo) de querer que as pessoas nos aceitem como somos, com qualidades e defeitos, mas esquecemos de fazer o exercício inverso.

ajuda é ajuda, né? ou pelo menos deveria ser. triste é viver num mundo em que até a ajuda é classificada, ou desclassificada =/

6 comentários:

Aleksandersson disse...

Olá!Fiz essa canção falando sobre os gatos que sofrem com os maus tratos diários.Se gostar,me ajude a compartilhar,para que possa alcançar as pessoas e,de repente,diminuir o sofrimento deles.Obrigado!Contamos com você!!!



veja a ''cachorro de rua ''no mesmo canal!
http://youtu.be/VE5hDgWJbqI

Vivian Oliveira disse...

Eu mesma já (se é que isso existe) fiquei com preconceito de mim mesma pois, por não poder dar abrigo ou recolher animais eu achava que eu não estava ajudando em nada... hoje eu sei que, e agora lendo esse seu post, que eu também faço parte dessa cadeia que faz a roda girar...faço minhas doações, participo das rifas, divulgo... Realmente é muito triste essa coisa de separar ajuda...e, parte dessa coisa vem da porcaria do dinheiro e gente que quer status. Quem doa por que gosta, não diz quanto pra se dizer bom. Doa e pronto :) Assim tem que ser com a ajuda. Acho que até cuidar dos animais que já tem, já é uma ajuda, afinal, é um animal a menos na rua.
Bj

P. Alsina disse...

Eu "desisti" de ser voluntária em ONGs exatamente por isso: não posso ser LT (falta de espaço mesmo), não dirijo (ou seja, não posso ficar no leva-e-traz)... então era deixada de lado, como se não servisse para mais nada.
Cansei de me oferecer para dar carinho e limpar abrigos (afinal, se já faço isso em casa, que me custa em outro lugar?), mas isso não era importante às ONGs.
Hoje, vou com meu passinho de formiga... pagando uma ou outra castração, dando comida e tentando conseguir casa aos gatinhos que aparecem por aqui.
É o jeito, muito infelizmente!

Louca dos Gatos disse...

vem conhecer a confraria, p. alsina!! precisamos de pessoas para fazer um pouco de cada e mais que isso, precisamos mesmo de pessoas que topem limpar a nossa sede, revezando com outras e dividindo o trabalho ;) se quiser, me manda e-mail luisa@miadoselatidos.com.br

Mia - Mychelle Freiesleben disse...

Traduziu meus pensamentos!

Eu mesma, resgatei três gatinhos e não tenho problemas de espaço. Mas tenho problemas financeiros e com divulgação.
Já cheguei a ouvir de várias pessoas que não deveria ter pego se sabia que não tinha "estrutura". As pessoas sabem me criticar, mas não colaborar para que eu consiga mudar isso.
Fico muito chateada! :(

Thathy disse...

Adorei o post... é bem isso mesmo. Eu e algumas amigas cuidamos de diversos bichinhos, mas cada uma faz uma coisa... tem uma que dá o LT, a outra cuida de divulgação, outras cuidam de conseguir grana prá bancar... e assim vai...
Beijos grandes